CRV Lagoa lança Catálogo Leite Zebu 2018

A CRV Lagoa lançou o Catálogo Leite Zebu 2018, com as melhores opções em genética das raças de leite zebuínas do mercado nacional.

Além dos já consagrados touros da bateria, a Central apresenta novidades que se destacam no Gir Leiteiro e no Girolando.

Entre os touros Gir Leiteiro, se destaca a grande variabilidade genética, com exemplares de baixa endogamia (linhagens abertas), sendo mais de 90% deles A2A2 Beta-caseína. Com os touros Guzerá e Girolando, os destaques vêm da produtividade e linhagens consagradas da produção de leite tropical.

Na já tradicional lista dos Top 10 Touros Gir Leiteiro foi introduzida a Idade ao Primeiro Parto (IPP). Ela, em conjunto com as características de produção, reprodução e conformação funcional, vai auxiliar os produtores nas escolhas e direcionamentos de futuros acasalamentos.

O Catálogo Leite Zebu 2018 pode ser conferido no site crvlagoa.com.br, nos aplicativos para iOS e Android e também no Issuu.

Com informações assessoria de imprensa

Pecuária Leiteira será discutida em dia de Campo em GO

A Fazenda São José, em Bela Vista de Goiás (GO), recebe no dia 9 de dezembro, o 15º Dia de Campo Senar Mais Leite.

O evento tem intuito de apresentar as implementações tecnológicas e de gestão da administração leiteira da propriedade, do produtor rural, Geraldo dos Santos Borges.

Os participantes terão a oportunidade de conhecer a realidade desta propriedade, altamente sustentável, com a oportunidade de interagir com produtores, trabalhadores e técnicos, além de ampliar a rede de contatos e, principalmente, adquirir novos conhecimentos.

O evento é uma realização do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural em Goiás (Senar Goiás), a Federação da Agricultura e Pecuária de Goiás (Faeg), o Instituto para o Fortalecimento da Agropecuária de Goiás (Ifag), o Sindicato Rural (SR) de Bela Vista de Goiás, com o apoio da Prefeitura Municipal e da Cooperbelgo.

Programação:

08h00: Inscrições, café da manhã e visitação nas estações dos parceiros

09h00: Abertura

• Palestrante: técnica de campo do Programa Senar Mais, Kelen Sousa Alves. Tema: Fazenda São José: exemplo de evolução na atividade leiteira

• Palestrante: consultor e engenheiro agrônomo do Senar Goiás, Carlos Eduardo Freitas. Tema: Estratégias aplicadas na superação da crise

11h00: Encerramento

12h00: Almoço

As inscrições estão abertas e podem ser feitas pelo link https://goo.gl/TQX8az.

Morre Fardo FIV F. Mutum, touro Gir Leiteiro

Morreu no dia 25 de novembro um dos maiores touros da história do Gir Leiteiro. Fardo FIV F. Mutum, destaque da bateria da CRV Lagoa, atualmente 28o ranking da ABCGIL 2017, com PTA de 357,2 kg de Leite.

Fardo fez toda a sua carreira de produção e comercialização de sêmen na CRV Lagoa, onde produziu 131.483 doses entre 2008 e 2015, sendo 107.697 de sêmen convencional e 23.786 de sêmen sexado de fêmea.

Entre suas conquistas, foi Reservado Grande Campeão da ExpoZebu 2008 – e suas filhas seguiram seus passos.

Daís FIV Alambari foi recordista Fêmea Jovem, com mais de 52 kg de leite; Devassa FIV WAD foi Grande Campeã da ExpoZebu e Megaleite/17; e Mahina FIV F. Mutum foi Grande Campeã Expolins/17 e Reservada Grande Campeã na Expogir/17.

Lipe é o sucessor de Fardo

O touro já tem um sucessor definido: seu filho Lipe FIV F. Mutum. Filho da grande matriarca Fécula FIV F. Mutum, com produção acima dos 16.000 kg de leite, o reprodutor é destaque na bateria de touros jovens da CRV Lagoa. Como o seu pai, Lipe vem se destacando pela qualidade de seus aprumos, temperamento, e produzindo filhas de muita qualidade quanto a conformação e força leiteira. Acreditamos na produtividade que ele irá transmitir para suas filhas, já que carrega em sua linhagem os raçadores consagrados Radar e Sansão.

“Agradecemos a Fazenda Mutum pela criação do touro e parceria com a CRV Lagoa, que gerou excelentes resultados com a comercialização de sêmen e melhoramento genético de rebanhos Gir Leiteiro, Girolando e outros cruzamentos pelo Brasil e América Latina”, destaca Lilian Jacinto, gerente de produto Leite Tropical da Central.

Informações: Assessoria de Imprensa

Gir Veredas oferta fêmeas Gir e Girolando em remate virtual

Acontece no dia 19 de novembro, a partir das 10h00 (horário de Brasília), o leilão virtual Programa do Leite – Gir Veredas.

Serão ofertadas 71 fêmeas, entre elas Novilhas Girolando (prenhes ou inseminadas), Novilhas Gir Leiteiro (prenhes ou inseminadas), Vacas Gir Leiteiro e Girolando (em lactação) e vacas Gir Leiteiro (prenhes).

A transmissão será feita pelo Canal Rural.

Participe!

Mais informações: https://www.programaleiloes.com/agenda/leilao/27661-programa-do-leite-gir-veredas

Abertas inscrições para Curso de Gestão Agropecuária

A cidade de Piracicaba (SP) recebe nos dias 21 a 23 de novembro nova edição do Curso de Gestão Agropecuária, promovido pela Boviplan, empresa de consultoria agropecuária.

A capacitação tem como objetivo treinar indivíduos que atuam na gestão de propriedades rurais, com foco nas atividades do dia a dia, tais como: a coleta, tabulação e interpretação de dados de produção (índices zootécnicos), montagem de planos de contas, projeção de receitas, entre outros.

Também visa o planejamento de atividades de rotina, como a elaboração de orçamentos, compra de animais e insumos, definição de rendimentos operacionais mecanizados, dentre outros assuntos pertinentes à administração da propriedade rural.

Serão apresentados os seguintes módulos:
– Planejando o sistema produtivo
– Administrar: saber e fazer
– O que controlar e como devemos controlar
– Gerenciamento na prática.

As inscrições estão abertas e podem ser realizadas através do e-mail: eventos@boviplan.com.br

Vídeo aborda produtividade com a nutrição no rebanho leiteiro

A Premix divulgou recentemente a sétima videoaula Premix@deValor produzida neste ano, que abordará o tema “Alcance o máximo de produtividade com a nutrição de seu rebanho leiteiro”.

Este vídeo já pode ser conferido no site da Premix em http://premix.com.br/video-aula-premixdevalor/.

O vídeo explica que para alcançar uma boa produtividade é preciso analisar o período gestacional do animal, que possui aproximadamente nove meses e meio, e emprenhar a vaca em até três meses após o parto, para manter a produção ativa de leite por até 10 meses.

A aula também abordará as melhores práticas em cada uma das etapas do animal, começando pela bezerra, depois pela novilha, o pré-parto, até chegar à vaca em lactação, destacando os cuidados necessários nessas quatro fases.

Confira!

Leite Show terá lançamento de Catálogo Leite Zebu

A CRI Genética lançará durante a sua participação na Leite Show, a ser realizada entre os dias 25 e 28 de outubro, em Guaratinguetá (SP), a nova edição do catálogo de produto Leite Zebu.

A bateria 2017/2018 conta com novas contratações nas raças Gir Leiteiro (4) e Girolando (2).

Entre os destaques está o touro Girolando Sombreiro FIV Kenyo, que traz em sua linhagem toda a qualidade do Toystory aliado à Quartinha, animais importantíssimos para a raça Holandesa e Girolando, respectivamente. Além do touro Gir Trovão 2B, fruto da parceria com o Programa de Melhoramento Genético 2B (PMG2B) que hoje é um dos programas mais sólidos de evolução e melhoria genética da raça Gir.
A edição digital já está disponível e pode ser baixada diretamente no site da CRI www.crigenetica.com.br.

Conheça a nova recordista mundial de produção da raça Gir

Helga FIV TOL, filha do consagrado touro da raça Gir Leiteiro, Jaguar do Gavião, é a mais nova recordista mundial de produção.

Durante a 19ª Exposição Nacional do Gir Leiteiro (Expogil), em Uberaba (MG), Helga produziu 78.370 kg de leite por dia durante o torneio leiteiro.

O exemplar é de propriedade da Fazenda Paraíso.

Mais informações: http://www2.crvlagoa.com.br/NoticiasTexto.aspx?idNoticia=3329#.Wdt7eGhSy70

Morre Napolitano, touro da raça Girolando

A pecuária brasileira perdeu o grande reprodutor Napolitano TE Terra Vermelha, destaque da bateria Girolando da CRV Lagoa, com mais de 232 mil doses comercializadas, sendo 177 mil de sêmen convencional e 55 mil de sêmen sexado.

Nascido em 14 de setembro de 2008, Napolitano pertencia a Joaquim José da Costa Noronha (Kinkão) e Erik Carbonari.

Girolando ¾ consagrado pela sua genealogia, Napolitano era filho de December, lendário touro holandês da CRV, e da recordista Quartinha, que tem uma das maiores lactações encerradas da raça, com 22.798 kg.

Também era irmão materno de Lalila, doadora ¾ que está entre as Top 1000 da raça, e Harmonia, mãe de diversas filhas no Top 100 do Sumário de Vacas Embrapa Girolando 2016, dentre elas a número 1, Máxima Harmonia.

Importância da suplementação mineral para bovinos de leite

A atividade leiteira se mostra lucrativa nos diferentes sistemas de produção. Estabuladas ou manejadas em regime de pasto, o sucesso dependerá da eficiência adotada e, independente do porte, a propriedade deve ser encarada como uma empresa. É necessário produzir leite de qualidade com menor custo. Para isto, é fundamental que o produtor conheça os três pilares (manejo, sanidade e nutrição) que sustentam a atividade leiteira.

Dentro da nutrição, a atenção destinada à mineralização do rebanho deve ser dobrada, visto que por muitas vezes é negligenciada. Cada mineral, seja macro (cálcio, fósforo, magnésio, enxofre, potássio e sódio) ou microelemento (manganês, zinco, cobre, iodo, selênio e cobalto), desempenha funções essenciais e vitais. A deficiência destes resultará em fragilidade óssea (cálcio, ferro e cobre), redução do consumo (cobalto e zinco), crescimento lento (cálcio, cobalto, cobre e zinco), perda de peso (fósforo, enxofre e cobalto), redução da fertilidade (fósforo, cobre, iodo e manganês), problema reprodutivo (selênio, iodo e manganês), queda na produção de leite (cálcio, fósforo, enxofre e cobalto) e morte (magnésio, enxofre e selênio).

Apesar de estarem presentes na água, solo e forragem, para efeito de cálculo somente o mineral proveniente da forragem é considerado. A deficiência mineral comprovada em áreas tropicais demonstra ser fundamental fornecer tais nutrientes por meio da suplementação.

A exigência de minerais irá variar em função da categoria (bezerra, novilha, vaca seca ou em lactação) e fase de lactação (alta, média e baixa produção). Quanto maior o animal e sua produção de leite, maior será a quantidade de macro e microelementos a ser consumida.

Em se tratando de vacas confinadas, de média a alta produção, normalmente todo alimento é fornecido no cocho. Neste caso, é preciso considerar os minerais provenientes dos alimentos volumosos e concentrados. Neste sistema, o ideal é misturar o suplemento mineral na dieta. São recomendados aqueles com teor de fósforo próximo de 6% e menor teor de sódio (em excesso ocasionaria redução de consumo). A quantidade a ser fornecida dependerá do balanço nutricional apresentado na ocasião da formulação. Em cocho separado deve-se fornecer o suplemento com pelo menos 80g por kg e teor de sódio mais alto, o qual irá modular o consumo. Para vacas em regime de pasto, dependendo da produção de leite, a ração deve ser fornecida durante ou após a ordenha. Nestes casos, como dificilmente há um controle da quantidade de mineral ingerido, visto que a quantidade do mesmo é variável nas forragens ao longo do ano, é fundamental ofertar o suplemento em cochos cobertos, durante o ano todo. Para vacas, cuja produção de leite não justifica o fornecimento de ração, são recomendados suplementos proteico-energéticos. Estes possuem carboidratos solúveis e proteína, nutrientes que garantem um ambiente ruminal eficiente, resultando em ganhos produtivos e reprodutivos.

No momento de adquirir o suplemento é fundamental avaliar o nível de garantia, os ingredientes que o compõe, o consumo esperado e a recomendação técnica. Em última análise, é necessário que o produtor avalie não somente o quanto investirá na suplementação, mas também o retorno sobre o capital investido quando a suplementação é realizada de maneira correta.

Por: José Leonardo – zootecnista e gerente de Produtos Ruminantes da Guabi

Nova sede da Central Bela Vista já coleta 400 touros

Inaugurada em maio deste ano, a nova sede da Central Bela Vista, em Botucatu (SP), conta atualmente com 400 touros para coleta e processamento de sêmen.

Volume 40% maior em comparação ao mesmo período do ano passado, a Central dispõe de 465 piquetes distribuídos em uma fazenda com 130 hectares, com altitude próxima de 1.000 metros.

A Central Bela Vista conta com importantes parcerias, como exclusividade na coleta de sêmen dos touros da Agro-Pecuária CFM e dos participantes dos testes de progênie DeltaGen, PNAT e PAINT, entre outros. Nos próximos dias, a empresa receberá alguns dos reprodutores do Nelore Qualitas.

Além desses, gerencia a coleta de touros das principais centrais de inseminação do País, como Alta Genetics, Select Sires, CRV Lagoa, Araucária Genética Bovina, CRI Genética e Gensur.

Com localização privilegiada, a Central Bela Vista é beneficiada pelo clima, que, em conjunto com o isolamento sanitário, são importantes diferenciais para a produção de sêmen congelado de bovinos e bubalinos das mais diversas raças de corte e leite.

Para o gerente Operacional Gerson Sanches, o objetivo da Central Bela Vista é trabalhar mantendo os mais elevados padrões de qualidade de sêmen para oferecer ao criador ótimos índices de prenhez em suas vacas e, ao mesmo tempo, desempenhar uma ótima gestão dos touros.

Melhoramento genético auxilia na redução de Gases de Efeito Estufa da pecuária

Aumentar o desempenho produtivo do animal é uma das estratégias mais eficientes utilizadas na atividade pecuária para conter a emissão de Gases do Efeito Estufa (GEE), por ter efeito cumulativo e permanente.

Essa é uma das orientações de estudo promovido pelo Projeto “Pecuária de Baixa Emissão de Carbono: geração de valor na produção intensiva de carne e leite”, como parte do Plano de Agricultura de Baixa Emissão de Carbono (Plano ABC), coordenado pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento com apoio do Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura (IICA).

A mitigação dos gases é viabilizada pela capacidade do animal em aumentar a sua produção, usando o mesmo gasto calórico. Em uma criação de vacas leiteiras, por exemplo, aquelas que alcançam níveis produtivos maiores, com a otimização do uso de energia do corpo, irão, consequentemente, reduzir o volume de dejetos excretados.

“Essa diminuição levará a uma queda do total de substâncias nocivas à atmosfera liberadas pela atividade pecuária, considerando que a decomposição dos dejetos é uma das principais responsáveis pela emissão de metano (CH4)”, explica o consultor do Projeto e médico-veterinário, Cleandro Pazinato Dias.

Segundo a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), por ano, cada bovino criado no Brasil é responsável por pelo menos 57 quilos (Kg) de CH4 despejados no meio ambiente. Essa média pode ser reduzida em até 35%, se adotadas técnicas de mitigação. O aumento da eficiência na produção pecuária pode potencializar o desempenho dos bovinos e reduzir a emissão de CH4 para 37,7 Kg por ano.

Uma das maneiras de garantir esse resultado pela fórmula “produção x energia despendida” se dá por meio do melhoramento genético, que também garantirá aos produtores, além de um aumento no desempenho da criação, melhor retorno econômico.

“A quantidade de metano liberado, por exemplo, varia conforme a quantidade e a qualidade do alimento digerido, do grau de digestibilidade e das condições de criação dos animais”, explica Dias, “dessa forma, a nutrição animal se torna um dos fatores importantes para a conservação ambiental na produção pecuária”, esclarece.

O uso de grãos e alimentos concentrados na dieta e o processamento adequado das forragens conservadas, para melhorias no processo digestivo, é fundamental.
Vale destacar que melhorias dos índices zootécnicos de produção e reprodução por meio do abate em idade menor, menor intervalo entre os partos, da idade menor da primeira cria e do bem-estar do animal “estão igualmente relacionados à redução da emissão dos gases que causam o efeito estufa, porque estão relacionados às garantias para a eficiência da criação”, reforça Dias.

Diminuir a média de idade ao primeiro parto e aumentar a produção de leite na primeira lactação, por exemplo, pode melhorar a eficiência produtiva ao longo do ciclo de vida do animal e diminuir as emissões por quilograma do produto. De forma similar, melhorando o desempenho reprodutivo do rebanho, adotando melhores métodos de inseminação, reduzirá o intervalo entre partos e, consequentemente, os dias não produtivos

O Projeto “Pecuária de Baixa Emissão de Carbono: Geração de Valor na Produção Intensiva de Carne e Leite” tem por finalidade desenvolver ações para adoção de tecnologias de produção sustentável, com o objetivo de responder aos compromissos assumidos pelo país na redução de emissão de Gases de Efeito Estufa no setor agropecuário. O projeto identificou e selecionou as tecnologias de produção sustentáveis passíveis de serem implantadas nas condições de produção de bovinos de corte e leite em sistemas confinados brasileiros. Os modelos viáveis estão sendo difundidos pelo Projeto por meio de workshops nas principais regiões produtoras do Brasil.

Autor: Pecuária Sustentável – Plano ABC

Repronutri 2017 começa amanhã em Campo Grande

A cidade de Campo Grande (MS) recebe nos dias 31 de agosto a 1º de setembro a 3ª edição do Simpósio Repronutri – Reprodução, Produção e Nutrição de Bovinos: a pesquisa aplicada ao campo.

A técnica de inseminação artificial em tempo fixo (IATF) será um dos temas abordado no evento. Os pesquisadores Alessandra Nicácio (Embrapa) e José Luiz Moraes Vasconcelos (Unesp-SP) irão apresentar o seu uso na estação de monta e os avanços em gado de corte.

Os médicos-veterinários explicam que com a adoção e o uso da tecnologia, a estação de monta tende a encurtar-se e tornar-se mais eficiente e reforçam, ainda, que além do benefício de a concentração dos acasalamentos e partos, o descarte e a seleção de fêmeas podem ser direcionados e efetivos e, assim, melhora-se a fertilidade do rebanho.

O 3º Simpósio Repronutri – Reprodução, Produção e Nutrição de Bovinos: a pesquisa aplicada ao campo é uma realização do Grupo Repronutri, Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), Universidade Católica Dom Bosco (UCDB), Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS) e Uniderp.

Mais informações: http://repronutri.com.br/

Poste cai e mata 50 bois em Ariquemes (RO)

A queda de um poste de energia devido ao temporal que atingiu a área rural em Ariquemes (RO) matou cerca de 50 bois.

Os animais foram atingidos por uma descarga elétrica.

Segundo reportagem do G1 Rondônia, os animais foram achados nesta terça-feira (29), em uma propriedade da Linha C-60, da BR-421.

O prejuízo pode chegar aos R$ 100 mil e um boletim de ocorrência foi registrado pelo proprietário Carlos Schmitz, pois o sitiante quer ser ressarcido pela Eletrobras.

Um novo poste foi colocado no local.

Com informações G1 Rondônia

Preço do leite se recupera no mercado internacional

O mais longo ciclo de crise da produção láctea global dos últimos dez anos pode ter chegado ao fim.

O preço do litro de leite pago ao produtor no mercado internacional, que chegou a 22 centavos de dólar, recuperou-se nos últimos meses e alcançou o valor histórico de 38 centavos de dólar em junho.

A tonelada do leite em pó, que no pior momento de 2016, custava US$ 2.000,00, já está sendo vendida acima de R$ 3.100,00 no mercado internacional. A constatação é de três cientistas da Embrapa, especialistas em Economia.

O analista da Embrapa Gado de Leite Lorildo Stock diz que as crises no mercado global de lácteos são cíclicas.

“Geralmente ocorre um ano ruim para cada dois anos positivos, mas a crise que superamos durou 30 meses”, conta o pesquisador, que acrescenta: “até então não se havia registrado um período negativo que durasse tanto tempo.”

Informações Embrapa Gado de Leite