Artigo – Quer obter lucro com a produção de leite? Escolha a Genética adequada para a vaca leiteira rentável e funcional

Por Tatiane A. Drummond Tetzner
Médica Veterinária D.Sc., Mestre e Doutora em Reprodução Animal UNESP, Especialista em Julgamento das Raças Zebuínas FAZU/ABCZ, Jurada Efetiva ABCZ, ABCGIL e Girolando, Gerente de Produto Leite CRV LAGOA
tatiane.tetzner@crvlagoa.com.br

1. INTRODUÇÃO
1.1 – Cadeia Produtiva

O agronegócio do leite desempenha um papel importantíssimo na sociedade mundial, e de relevância no setor econômico de suprimento de alimentos bem como na geração de empregos permanentes, e como fonte de renda. A cadeia produtiva do leite no Brasil vem enfrentando alterações significativas nos últimos anos. Assim, a profissionalização passa a ser vital no sistema de produção, bem como a eficiência da empresa rural. Os avanços tecnológicos na bovinocultura leiteira têm recebido crescente atenção por parte dos vários segmentos do setor lácteo.

O produto final, ou seja, o leite é um alimento único pelo seu valor nutritivo e pela sua composição, sendo, portanto, um constituinte essencial da dieta dos recém-nascidos, sendo também indicado em todas as idades. Por isso é extremamente importante apresentar-se com qualidade.

O consumo per capita de leite no Brasil é de aproximadamente 161 litros. O Estudo da Associação Leite Brasil indica que o consumo per capita de produtos lácteos aumentou 60% nos últimos 30 anos no país. A demanda interna tem crescido, porém lentamente. O consumo per capita encontra-se relativamente estagnado por muitos anos, e tem sofrido concorrência de vários outros produtos. Além da distribuição de renda, a demanda de lácteos necessitaria de ser acompanhada de campanhas de informação dos aspectos nutricionais do leite, e marketing.

O consumo de leite e seus derivados, como queijos, bebidas fermentadas e iogurtes, estão associados a uma dieta de qualidade no geral e adequada na ingestão de muitos nutrientes, como cálcio, potássio, magnésio, zinco, ferro, riboflavina, vitamina A e vitamina D.

O consumo de lácteos deveria ser estimulado de forma mais eficiente. Pois somente dessa forma a população teria acesso às informações e daria maior importância na presença do leite e seus derivados na dieta diária.
1.2 – Produção de Leite no Brasil

A produção brasileira de leite ainda tem muitos aspectos para evoluir. Todos os dados estatísticos bem como suas respectivas interpretações são importantes para nos situarmos na CADEIA PRODUTIVA, e conhecermos as limitações atuais da atividade, para que dessa forma possamos atuar de forma enfática nas etapas que podem ser alteradas para proporcionar ganhos, sejam de ordem genética, produtiva e/ou econômica. Alguns dos aspectos e etapas que podem evoluir estão correlacionados a reprodução, a sanidade do rebanho, e a nutrição. A posteriori pode-se avançar em etapas como manejo, qualidade do leite produzido, produtividade animal e por área, e administração da produção. No Brasil, existem processos tecnológicos disponíveis para que a produção seja competitiva e viável.

A GENÉTICA a ser utilizada nos rebanhos leiteiros é de fundamental importância para se obter lucro na atividade. Dessa forma a escolha da Raça, e/ou Cruzamentos a serem utilizados deve passar por uma prévia análise geral da propriedade, como tais avaliações: condições edafo-climáticas (solo, temperatura, umidade, pastagens, pluviosidade), bem como instalações, mão de- obra qualificada, manejo.

Como a maior parte do nosso país contempla condições climáticas “Tropicais”, com elevadas temperaturas, variando em pluviosidade e umidade, é muito importante a escolha de uma raça, ou cruzamentos que sejam adaptados a essas condições, e que tenha rusticidade, adaptação ao calor, resistência a endo e ectoparasitas, pois o custo de produção será menor quando a interação genética x meio-ambiente resulta positivamente.

1.3. – Processo de seleção de gado leiteiro

A ênfase no processo de seleção de gado leiteiro é dada para características de produção. Como a produção de leite é a característica mais importante em programas de melhoramento de gado leiteiro, faz-se necessário avaliar a sua associação com outras. Atualmente, raças puras e cruzamentos são utilizados de acordo com as necessidades de cada região. Sendo assim, a conformação do úbere assume grande importância em função de sua associação com características produtivas, o que pode auxiliar na eficiência e redução do tempo de seleção para a produção de leite, através da seleção indireta.

Peça chave para ser estudada em todo esse processo é o úbere, ou seja, o sistema mamário, pois esse sistema é responsável pela síntese do leite, principal constituinte da dieta de seres humanos. Além da correlação com a longevidade produtiva e funcionalidade, o sistema mamário é uma estrutura que interfere diretamente nos índices econômicos da atividade pecuária leiteira.

Ainda porque as características consideradas com estimativas moderadas a altas indicam que é possível se obter ganho genético por meio da seleção.

2. GENÉTICA TROPICAL: GIR LEITEIRO E GIROLANDO

O cruzamento da Raça Gir (Bos taurus indicus), raça Zebuína com a Raça Holandês (Bos taurus taurus), raça Europeia, resultou a Raça Sintética Girolando, nos seus variados graus de sangue, e atualmente contempla e está presente em pequenas propriedades rurais, com agricultura familiar, até grandes empresas no setor lácteo, com elevada tecnificação.

Atualmente, o Gir Leiteiro é reconhecido no Brasil e no mundo pelo seu desempenho como raça especializada leiteira, sendo uma opção para produção de leite nos trópicos principalmente por apresentar características condizentes à produção sustentável de leite a pasto.

A contribuição do Gir Leiteiro nos últimos anos, após a consolidação no mercado deveu-se ao PNMGL. Os resultados obtidos pelo Programa Nacional de Melhoramento do Gir Leiteiro são disponibilizados através dos sumários anuais que contém informações de touros provados através da metodologia do teste de progênie.

No Brasil, o Gir leiteiro está sob processo de seleção desde a década de 30 e, a partir de 1993, num trabalho conjunto entre criadores, Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA) e Associação Brasileira dos Criadores de Gir Leiteiro (ABCGIL).

As avaliações genéticas do PNMGL são realizadas para as características de produção (leite, gordura, proteína, lactose e sólidos totais), conformação (altura de garupa, perímetro torácico, comprimento corporal, comprimento de garupa, largura de ísquios e íleos, ângulo da garupa, ângulo dos cascos, posição das pernas vista lateralmente e por trás, e características de sistema mamário: ligamento de úbere anterior, altura e largura do úbere posterior, profundidade do úbere, comprimento e diâmetro de tetas) e manejo (facilidade de ordenha e temperamento).

3. MORFOLOGIA E CONFORMAÇÃO DO BIOTIPO LEITEIRO

A principal meta dos criadores e selecionadores de bovinos leiteiros é a obtenção de animais capazes de produzir grandes quantidades de leite com teores elevados de sólidos totais, proteína e gordura, por um longo período de tempo, em sistema de produção a pasto e econômico, ou seja, rentável. Dessa forma, os produtores dão ênfase à seleção para produção de leite e conformação visando produzir um animal com características produtivas, funcionais e longevas.

A morfologia ou conformação tem um significado de relevância econômica na atividade. Sendo assim, atenção especial deve ser dada para as características de conformação que indicam capacidade de suportar altas produções e longevidade com o objetivo de aumentar a vida útil de cada fêmea.

Na avaliação do biótipo leiteiro levamos em consideração a capacidade produtiva do animal, valorizando aqueles animais próximos do biótipo ideal para produzir leite (fêmeas), ou para transmitir características leiteiras à
progênie (machos).
3.1. ASPECTOS ECONÔMICOS

Diversos aspectos econômicos ligados a longevidade enfatizam a vida média, e mais longa em gado leiteiro, o que tende a aumentar os lucros, pelos seguintes motivos:

- Redução dos custos de substituição para cada vaca mantida no rebanho,
- Aumento da média de produção do rebanho pelo aumento da idade média das vacas em lactação,
- Redução do número de novilhas que devem ser criadas para reposição, aumentando o número de vacas em lactação por área, possibilitando o descarte de animais jovens, seja para produção de carne (machos) ou leite (fêmeas).

Na comercialização também a morfologia e conformação são de extrema importância, pois animais com biótipo desejável alcançam valores superiores no momento da venda, quando comparados aos animais de biótipo intermediário ou indesejável.

A utilização adequada das avaliações genéticas permite aos técnicos, criadores e selecionadores escolherem sêmen de touros que possam melhorar e agregar qualidade genética nos seus rebanhos, bem como selecionar as melhores matrizes para se tornarem doadoras, e através de acasalamentos seletivos e direcionados, pode-se promover a multiplicação dos animais geneticamente superiores, e, assim, elevar ao máximo a produção de leite e longevidade produtiva.

4. SELEÇÃO PARA PRODUÇÃO DE LEITE E BIÓTIPO LEITEIRO

É possível aliar a seleção para produção e tipo, selecionando características que se sobrepõem, e que se completam, sendo assim, a busca pela harmonia e equilíbrio deve nortear qualquer planejamento estratégico de uma atividade pecuária.

A longevidade produtiva deve ser levada em consideração no momento de avaliação de uma fêmea produtiva, já que a taxa de reposição elevada gera altos custos para a pecuária leiteira.

Existem duas razões para seleção da conformação exterior: atender a demanda de valorização pelo mercado de um determinado tipo de animal, e obter, pelo menos em parte, resposta indireta para produtividade.

O tipo, ou exterior do animal, diz respeito à aparência geral relacionada com a função produtiva. Para cada tipo funcional há um número infinito de diferenças em conformação, tamanho, estatura, e etc. A maioria dos genes responsáveis pela conformação não exerce uma função local e sim geral, por isso, a forma de uma parte está intimamente correlacionada com a forma de outras e do todo. A modificação de uma parte pode vir a constituir um novo tipo. Então tipo e conformação são termos intercambiáveis. A definição de conformação ideal deve se aproximar da conformação para fins comerciais visando aptidão de produção e das mensurações quantitativas e do controle de produção.

O “tipo funcional”, termo sugerido para se referir à conformação do corpo associada à produção de leite durante a vida produtiva da vaca, foi amplamente investigada por diversos pesquisadores, sendo que a maioria dos autores concluiu que as duas características, tipo e produção, parecem ser independentemente herdadas e, para melhorá-las, é necessário que a seleção seja praticada em ambas.

As estimativas de correlações genéticas entre produção de leite e medidas de tamanho, ou estatura corporal, permitem verificar que a seleção para produção de leite pode ter, como resposta correlacionada, diminuição do tamanho da vaca.

Aparência geral: deve-se levar em consideração a harmonia do conjunto e o desenvolvimento corporal, juntamente com a idade. A análise deve ser ampla, observando o equilíbrio entre as partes. Deve-se observar também o padrão racial, expressão da sexualidade bem definida (masculinidade e feminilidade), a harmonia do conjunto corporal, o vigor, a saúde e o temperamento. O tamanho ou estatura, largura e peso tem grande importância comparativa dentro da faixa etária.

Características Leiteiras: deve ser considerada a etapa ou fase de lactação, a idade da fêmea (primípara ou multípara). Deve ser observada a força leiteira, encaixando com a habilidade leiteira. Observa-se e avalia-se ainda a índole ou controle do animal (temperamento).

Capacidade: Avaliação da profundidade e equilíbrio torácico, ou seja, perímetro torácico. Importante também verificar a amplitude peitoral e volume do costado, bem como arqueamento, distanciamento e direcionamento das costelas, os quais devem apresentar vigor e boa capacidade (capacidades respiratória, circulatória e digestória).

Aprumos: Observação da constituição óssea, equilíbrio e harmonia dos movimentos, e facilidade de locomoção. Deve-se dar atenção quanto a angulação das articulações e qualidade dos ligamentos e tendões, tecidos conjuntivos.

Quadrante de garupa: Avaliação do comprimento, largura e ângulo ou nivelação. A inserção da cauda deve ser suave, sem elevações ou depressões.

Sistema mamário: avaliação quanto ao volume, profundidade, largura, forma e textura do úbere anterior e posterior, aparatos suspensórios (ligamentos), irrigação e drenagem.

Uma FÊMEA LEITEIRA IDEAL deve possuir os seguintes requisitos abaixo:

- Produção de leite elevada e satisfatória, produtividade;
- Qualidade para sustentar essa produção de leite, funcionalidade;
- Condições para sustentar essa produção por várias vezes, repetibilidade;
- Vida útil longa no rebanho, longevidade.

Características de Conformação do Úbere
Em gado de leite as características de conformação do úbere assumem grande importância em função de sua associação com características produtivas, o que pode auxiliar na eficiência e redução do tempo de seleção para a produção de leite, através da seleção indireta.

Além da correlação com a longevidade produtiva e funcionalidade, o sistema mamário é uma estrutura que interfere diretamente nos índices econômicos da atividade pecuária leiteira.

CONCLUSÕES

É importante ressaltar que todas as etapas do processo de escolha do animal ideal para a produção de leite, devem ser efetuadas com planejamento estratégico. O acompanhamento no segmento de melhoramento genético bem como a análise fenotípica ou visual, manejo racional e etológico dos bovinos, aspectos sanitários, reprodutivos e aspectos nutricionais são importantes para o sucesso na pecuária leiteira.

Além da ETAPA de GENÉTICA, muitos outros fatores, ou seja, demais ETAPAS que devem ser consideradas para sucesso na atividade leiteira. A escolha e seleção dos reprodutores é apenas o ponto de partida, o pontapé inicial. Por isso, informar-se corretamente e avaliar cada situação, é a melhor opção para atingir o ponto ótimo entre custo e benefício, e, assim a obtenção de uma atividade leiteira rentável.

Leave a comment

Please be polite. We appreciate that. Your email address will not be published and required fields are marked