Qual a melhor estratégia para a reposição de fêmeas?

A Embrapa Gado de Leite disponibiliza para o produtor rural a publicação “500 Perguntas 500 Respostas” destinado à criação de gado leiteiro. Um das questões respondidas é: Qual a melhor estratégia para a reposição de fêmeas?

Segundo a publicação, a taxa de reposição de fêmeas no rebanho deve ser igual ou superior a 25% ao ano. A melhor estratégia é elevar ao máximo a taxa de parição do rebanho e reduzir a taxa de mortalidade de bezerros. Quanto maior o número de nascimentos, maior será a possibilidade de selecionar os melhores animais.

Se a taxa de natalidade é de 80% e assumindo que em média nascem 50% de fêmeas, têm-se 40% de fêmeas. Considerando-se a taxa média de 5% de mortalidade, sobram 38% de fêmeas para reposição. Dessa forma, teoricamente, a taxa de reposição poderia ser de 38%. Isso indica que usando 25% de reposição de vacas, saem do rebanho de 100 vacas, 25 para descarte, e as vacas não precisam ficar por mais que quatro lactações.

Assumindo-se que se faça inseminação artificial no rebanho e seleção de touros melhoradores, as filhas serão melhores que as mães. De maneira que se a reprodução é boa, sobram todos os machos e parte das novilhas para serem vendidas. Outra estratégia é vender vacas e segunda lactação para melhorar a rentabilidade da atividade leiteira.

Leave a comment

Please be polite. We appreciate that. Your email address will not be published and required fields are marked